Saberes e práticas de cura nas igrejas neotradicionais em Luanda: carismas, participação e trajetórias das mulheres">Saberes e práticas de cura nas igrejas neotradicionais em Luanda: carismas, participação e trajetórias das mulheres

O presente artigo analisa as visões da doença e as trajetórias de vida de mulheres carismáticas observadas em algumas igrejas neotradicionais localizadas no espaço urbano e periurbano de Luanda. As profetisas têm um papel central no espaço sociocultural ecuménico da capital, realçando como a (re)interpretação das suas biografias no contexto religioso permite criar dinâmicas sociais inovadoras que são engendradas nos campos da saúde e da religião. Estas igrejas ergueram templos e casas de oração e de cura, convertem e arrastam multidões, refizeram códigos de ética e de conduta religiosa e moral, e têm um papel central na renovação de certos rituais, com particular acuidade para a cura religiosa.

Geração, presença e memória: a Igreja Tocoísta em Angola">Geração, presença e memória: a Igreja Tocoísta em Angola

Este artigo discute, a partir do estudo de caso da Igreja Tocoísta, a dialética entre processos de “presença” e “ausência” em movimentos proféticos em Angola e na diáspora angolana. Retoma algumas teses clássicas de Max Weber sobre carisma e rotinização da liderança para explicar, em função das dialéticas entre presença/ausência e geração/memória, os processos de transformação ocorridos nesta igreja no contexto da Angola de pós-guerra.

De cara com a violência: um exercício de escrita etnográfica">De cara com a violência: um exercício de escrita etnográfica

O presente artigo é um experimento de escrita sobre os efeitos da violência a partir do contato que mantive com três mulheres durante a pesquisa de campo realizada entre 2009 e 2010 em Urabá, Colômbia. Ao explicitar minhas experiências com elas, identifico quatro tipos de relatos: inacabado, testemunhal ou biográfico, prosa e testemunhal distanciado. As três seções do artigo estão vinculadas às interações no campo e a certos aspectos dos encontros intersubjetivos que ligam efeitos da experiência violenta com a forma dominante de conceber o tempo na região, isto é, a precedência do presente.

Arte e etnografia cokwe: antes e depois de Marie-Louise Bastin">Arte e etnografia cokwe: antes e depois de Marie-Louise Bastin

Este texto parte do recenseamento e debate sobre o contexto em que o trabalho empírico de Marie-Louise Bastin no Dundo (1956) e a publicação original de Art Décoratif Tshokwe (1961) ocorrem, e analisa as recorrências contemporâneas do contexto de produção de categorias de “arte africana” e o seu consumo como “arte nacional”. O trabalho levado a cabo no Museu do Dundo desde 1936 permite inscrever a emergência da categoria de arte durante os anos 50 e 60 no contexto da promoção internacional da cultura material cokwe como “arte”, em detrimento da sua classificação, até aí vigente, como “etnografia”. Neste sentido, a promoção dos artefactos cokwe como “arte” está em relação com uma nova política de desenvolvimento do museu – que, entre outros fatores, motivara a cessação de funções de José Redinha como conservador (em 1959) – no quadro das transformações políticas na arena internacional. A análise deste processo, argumenta-se, revela-se útil a dois níveis: por um lado, para pensar rela…

Movimientos sociales y apropiaciones colectivas en la Barcelona post-15M: el papel de la Assemblea Social del Poblenou">Movimientos sociales y apropiaciones colectivas en la Barcelona post-15M: el papel de la Assemblea Social del Poblenou

La irrupción del movimiento 15M en la escena política y social del Estado español durante el año 2011 supuso, sin duda alguna, una excelente oportunidad para ver hasta qué punto las corrientes teóricas y marcos conceptuales existentes en torno a los movimientos sociales podían asimilar un fenómeno de carácter relativamente novedoso. Los principales estudios realizados desde entonces se han aproximado al 15M desde su consideración como laboratorio de nuevas prácticas de democracia directa. Por su parte, el presente artículo, centrado en la Assemblea Social del Poblenou (Barcelona) como heredera de dicho movimiento en su descentralización hacía los barrios de la ciudad, trata de mostrar, desde una perspectiva etnográfica y ampliamente descriptiva, las relaciones que dicho movimiento tiene con las luchas y los conflictos de carácter urbano. Para ello nos centramos en dos acciones de apropiación colectiva llevadas a cabo por la citada asamblea.

Introdução: Angola na passagem do tempo">Introdução: Angola na passagem do tempo

A partir de uma reflexão baseada numa década de idas e vindas ao terreno, literatura secundária e, naturalmente, os textos sobre arte, religião e novas profetizas deste dossiê, pretende-se enfatizar leituras de processos históricos e sociais mais abrangentes. Ao sublinhar alguns aspetos da história e contemporaneidade angolanas e as ligações entre o global e o local, este texto destaca a íntima relação entre períodos históricos aparentemente herméticos (pré-colonial, colonialismo e pós-independência) e a importância de processos sociais, económicos e políticos que perpassam a divisão entre colonial e pós-independência e são fulcrais para o sedimentar de discursos neomodernos sobre Angola.

Representaciones de migrantes senegaleses en la sociedad porteña de Buenos Aires: apuntes sobre exotismo y exotización">Representaciones de migrantes senegaleses en la sociedad porteña de Buenos Aires: apuntes sobre exotismo y exotización

Presentamos algunos registros de campo y reflexiones a modo de avance de dos investigaciones que tienen por objeto de estudio a la migración senegalesa reciente en Argentina y sus relaciones sociales en el contexto local, concretamente en las ciudades de Buenos Aires y La Plata. Específicamente, a partir de datos etnográficos, reflexionamos acerca del exotismo y la exotización como formas de percepción, relación y representación respecto de estas alteridades migrantes “negras”. Nuestro análisis avanza en interpretar fenómenos que vinculamos con esos modos de construcción de la alteridad: una hipervisibilidad de las personas “negras” y el desconocimiento social respecto de África, los africanos y los afrodescendientes en el contexto local. Planteamos la hipótesis que el exotismo y la exotización de los recientes migrantes senegaleses se presentan en una relación de correspondencia/complementariedad con el proceso de invisibilización que pesó históricamente sobre los “negros” africano…